Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2019

Boa comida, boa bebida!

Imagem
Boa comida, boa bebida, uma paisagem deslumbrante! Assim classificaram o restaurante onde se decidiu repastar no dia em que repuseram na conta o IRS. Há que gastar esse maldito e, já agora, dar-lhe vida! Também os empregados são uma categoria. Uma beleza prestimosa quando atravessam a sala de jantar numa elegância pouco vista nos dias de hoje. – Arranjam-se aí umas tripas, sim senhor, e uma cabritada. Ora vamos lá “bêr”. “Lábêr…!?” é uma expressão muito usada hoje em dia em meios distintos de reflexão televisiva e comentário político, mas que até nem vem a propósito. Foi apenas um desviar dos caminhos do enredo da história breve do restaurante e dos seus empregados de mesa.

Mirandela

Imagem

Reunião: desfecho atribulado

Imagem
Finda a reunião no Café Central, já a manhã despontava de uma noite gelada. Tudo se resolveria com a ida à capital, estavam convencidos aqueles dois, Nanixe e Chixe. O primeiro, inebriado pelo tinto e pela conversa assaz demorada – quase monólogo de Chixe –, espalhou-se na calçada como trapo, mal vislumbrou os primeiros raios de claridade e o orvalho que rapidamente lhe sistematizou as pestanas, fazendo ressaltar-lhe um ar de compenetrado filósofo, simultaneamente perturbado e incrédulo pela situação que acontecera. – É só um vareio da cabeça e passa depois de alguns instantes.

Quinta do Paço, Vila Real

Imagem
Discreto olhar sobre a Quinta do Paço, em Arroios, Vila Real!

Reunião no Café Central

Imagem
Durante uma de tantas reuniões que costumam levar-se a efeito no café central da aldeia, às vezes a desoras, decidem então rumar à capital, pois lá haveria de aparecer um lugar onde tratar do assunto: um ministério ou secretaria onde de certo os ajudariam. Perguntariam a alguém que vissem conhecer melhor que eles estes assuntos e tudo se resolveria. Além disso, muitos cafés como este, e melhores ainda certamente, haverá nos sítios importantes como é a capital, com gente famosa e tudo que até acharão o nosso projeto digno de ser implementado, até porque enchendo os bolsos de economias, estas servirão de igual modo para a bolsa geral do estado.

As caganitas do Chixe

Imagem
Esse comparsa do Nanixe, ar amuado e desconfiado, vive de pequenas negociatas. Compra e vende de tudo que lhe vai aparecendo. Mas o seu negócio preferido é o do gado. Passeia com os animais pelos pastos da serra e diverte-se enquanto vai e volta. Frequenta com assiduidade as feiras, vende um cabrito aqui e outro ali e mesmo assim o rebanho vai crescendo. Há coisa de dois anos, aproveitado que é o Chixe, decidiu, depois de muito pensar, começar a recolher as caganitas dos animais para utilizá-las nos seus lameiros como adubo. - Como se fazia antigamente, noutros tempos!

Nanixe e o caso do Chixe

Imagem
Não era hábito do Nanico, aliás, Nanixe como prefere agora ser tratado, preocupar-se muito com os outros nem importunar demasiado a cabeça. O esforço de pensamento transmite-lhe uma certa inquietação, irritabilidade, como ele próprio diz - um certo “nervoso” na língua, uma espécie de comichão gustativa que o preocupa. - Há aqui um nervo qualquer “leva e traz” que deve fazer ligação entre a cabeça e a língua, diz convencido.

Quinta do Vesúvio, Douro Superior

Imagem
Defronte à Senhora da Ribeira

A imagem a acompanhar este artigo resulta de uma foto da década de 1990 que mostra a vista da Senhora da Ribeira, Carrazeda de Ansiães, para a margem sul do rio Douro, concretamente a Quinta do Vesúvio. À foto, da nossa autoria, em virtude das suas reduzidas dimensões e para que pudesse aumentar-se, foi imprimido pequeno toque com algum efeito visual, resultando melhor a expressividade.

Senhora da Ribeira

Imagem
Senhora da Ribeira, Carrazeda de Ansiães (Douro Superior)

A Senhora da Ribeira é uma pequena aldeia que em finais da década de 1990 era praticamente desabitada e a maior parte das suas poucas casas estavam já a degradar-se. Apenas uma ou duas mostravam alguma qualidade no seu aspeto. Outra ainda, de construção recente, em xisto, apresentava-se solitária, servindo certamente para ser ocupada em fins de semana ou em férias.

Sam Lourenço de Riba Pinhão, 1758

Imagem
Freguesia de São Lourenço de Riba Pinhão, em 1758

Neste artigo e resumo de excerto do documento de 3 de março do ano de 1758, escrito pelo reytor da Igreja Matriz de Sam Lourenço de Riba Pinhão - padre Seraphim Alvares - refere-se que havia na freguesia de Sam Lourenço uma feira franca que decorria entre a véspera do dia do milagroso S. Lourenço e o próprio dia de S. Lourenço - 10 de agosto. A freguesia de S. Lourenço não tem correio. No entanto, os seus habitantes servem-se do correio de Vila Real, que vem na segunda e vai na quinta feira.

Artesanato e artes manuais

Imagem
A propósito de artigo anteriormente publicado "Que futuro para Bisalhães?" e transpondo a sua reflexão para o tema do artesanato em geral e as artes manuais, não podemos deixar de referir o desinteresse, em nosso entender, com que estas matérias têm sido tratadas em opções políticas apenas preocupadas com grandes projetos, descurando estas pequenas grandes coisas que também dizem respeito à cultura dos povos. Note-se que nas áreas da formação e educação públicas, contrariando estudos científicos de que os trabalhos manuais são um contributo muito importante para o desenvolvimento intelectual e destreza manual do indivíduo, decidiram em tempos os responsáveis retirar do currículo do ensino básico a disciplina de Trabalhos Manuais, inserindo apenas reduzidíssimas partes do seu programa na disciplina de Educação Visual, passando esta a ter o nome de Educação Visual e Tecnológica, atualmente dividida nas disciplinas de Educação Visual e Educação Tecnológica, com a consequente r…

Que futuro para Bisalhães?

Imagem
Vila Real e o artesanato têm a sorte de, ainda no momento actual, contarem com a contribuição importante de alguns, amantes da manufacturação de peças únicas nas suas características, utilizando materiais com tradição existentes nesta região, seguidores persistentes, fiéis aos usos e costumes dos seus antepassados aos quais tiraram ensinamentos e experiências permitindo a continuidade da história cultural das gentes que, carinhosa e teimosamente, contra a corrente, vão ficando presos à terra que os viu nascer. Executam trabalhos de destreza manual impressionante e são conhecedores experimentados dos pontos fracos dos objectos que brotam das suas mãos calejadas pelo frio, pela intempérie e pelo forno abrasador do sol. Perfeitos e cadenciados preocupam-se com a qualidade. Sabem que o produto do seu trabalho servirá, não só como efeito decorativo, mas também de suporte impermeável, necessário à confecção dos alimentos tornando-os mais refinados ao sabor e apetitosos à vista da cozinha r…

Amarante, Portugal

Imagem
Amarante, cidade sede de concelho do distrito do Porto: tarde do dia 18 de abril de 2016

Doçaria Conventual de Amarante

Imagem
O verão está aí, bem próximo, proporcionando agradáveis passeatas após o jantar. No entanto, mesmo em ambiente de inverno, uma visita ao centro histórico de Amarante vale bem a pena usufruindo-se da beleza luminosa da igreja de S. Gonçalo, a ponte que lhe dá acesso, e a rua de tasquinhas onde se encontra um bom copo a acompanhar uma boa sande de presunto e outras coisas boas a comer sentado ou em pé. Sete e meia, oito, a noite inicia-se deste modo, tranquila, apenas o número suficiente de pessoas pela rua, poucas e boas alguém dirá. De facto, a arquitetura do lugar desperta na melhor das intenções os sentidos e, por isso, uma entrada na Confeitaria da Ponte dá-nos certamente o gostinho especial e frescura de uns papos de anjo, umas lérias, foguetes e brisas do Tâmega e mesmo são gonçalos, tudo enquadrado na boa doçaria conventual de Amarante. Com um café, um docinho especial!

Uma pequena caixa bem ornada de várias especialidades servirá de contentamento a quem espera feliz a chegada.…

O largo do sr. Albertim (IX)

Imagem
O empalhador
Lá aparecia também o empalhador – o que empalhava principalmente garrafões, tudo perfeitinho a começar da base até ao gargalo, sem que se descorassem as asas, dando-lhes especial resistência. Uma larga bacia com água servia para amolecer o vime – o junco com que se fabricam cestos.  O cesteiro executava com esmero a técnica aprendida talvez em pequeno e ainda hoje alguns artesãos constroem perfeitas essas obras artesanais em verga. O vime era utilizado para revestir os garrafões, mas também para construir cestas e, por isso, normalmente, o empalhador era também cesteiro.
Em S. Lourenço de Ribapinhão, o empalhador por lá permanecia uma boa parte do tempo no largo do sr. Albertim, onde, de tempos a tempos, muitos garrafões eram consertados em tarefa demorada, às vezes de vários dias.

O largo do sr. Albertim (VIII)

Imagem
O Amolador
Mó ou Rebolo é uma pedra redonda que gira sobre um eixo central e serve para afiar (amolar) instrumentos de corte ou de perfuração. A palavra “amolar” significa precisamente “afiar no rebolo”. Da palavra “amolar” provém a designação “amolador”, ou seja, aquele que amola, aquele que afia – profissão antiga, ainda hoje existente através de alguns resistentes na arte de amolar. – Tem cuidado qu’inda t’amolas…! É verdade! Também o amolador nas suas derivas entre aldeias e vilas chegava ao largo do sr. Albertim, naquela época áurea, em frente ao seu estabelecimento onde tudo se passava. Vindo da serra, rua do Outeiro abaixo, fazia anunciar-se o amolador de facas e tesouras através do som da gaita de amolador, seguido pelo burrico que lhe servia de companhia e transporte de alguns bens. Trazia a sua geringonça, instrumento artesanal complexo para o seu trabalho, roda a percorrer os caminhos sinuosos e intermináveis de terra e calçadas até ao aparecimento de um qualquer cliente. L…

A Geometria do Douro

Imagem
Ondas geométricas nas encostas do Douro

De tão curta a viagem, o quadro apresenta-se-nos breve, capaz, contudo, numa atitude inspiradora de obrigação reflexiva sobre o suporte da arte que são as superfícies onduladas das encostas do Douro, concretamente nesta sub-região do Alto Douro, meio caminho de Vila Real à Régua – Santa Marta de Penaguião – após a passagem fronteiriça da Cumieira, ainda no alto como se marcasse pela exigência os contornos dos bardos das vinhas novas, desenhos precisos que os arquitetos de hoje da natureza duriense engendram de modo a que o sol melhor trespasse pelo calor os ares do mosto que voltará.

Gatos

Imagem

Carvalhada, Delgada

Imagem
Carvalhada, freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão
A Carvalhada situa-se na Delgada, freguesia de S. Lourenço, concelho de Sabrosa. Para os que de longe suspiram por novidades de S. Lourenço de Ribapinhão, freguesia do concelho de Sabrosa, distrito de Vila Real, aqui se deixam referências a um dos locais míticos das montanhas que circundam a aldeia de S. Lourenço – a Carvalhada. A Carvalhada, lugar sobranceiro ao lugar da Delgada, na freguesia de S. Lourenço, segundo os mais antigos, seria o local privilegiado de pastagem para gado bovino e caprino por onde os animais daquele lugar vagueavam, alimentando-se. Talvez muitos dos emigrantes que hoje habitam a região francesa de Lot (46), departamento do sudoeste da França cuja cidade maior é Cahors, também Paris e outras regiões daquele país que acolheu e continua a acolher muitos portugueses se lembrem e gostem de encontrar alguns aspetos fotográficos das suas origens, como é exemplo a imagem aqui inserida.
Carvalhada, Delgada, S. Lourenço…

O largo do sr. Albertim (VII)

Imagem
As couves da Portela a caminho da feira de Vilar de Maçada – Oh senhor! Oh senhor!, desapertou-se o “bencelho”, ajude-me, se faz favor. “Bencelho”, melhor, vencelho ou vencilho – atilho de palha de centeio com que eram apertadas aos molhos as couves que foram semeadas por alturas do Santo António, em junho, portanto, e colhidas ainda num estado prematuro de desenvolvimento para serem depois vendidas e plantadas. Sim, as couves tronchas comidas no Natal passavam a sua história e faziam o seu percurso! Vinham da Portela, lugar da freguesia de Folhadela, concelho de Vila Real e chegavam ao largo do sr. Albertim, em S. Lourenço, logo a seguir à festa de Nossa Senhora da Saúde. Juntos com os donos, vários burros ou burras já cansados da viagem e carregados de couves aos molhos, apertados com “bencelhos”, arribavam satisfeitos mesmo assim, pois a parte mais difícil da caminhada estava concluída. O conforto para a noite iam encontrá-lo ali, no largo, aproveitando-se o tempo anterior à deita …

Jardim da Carreira, Vila Real

Imagem

O largo do sr. Albertim (VI)

Imagem
O barbeiro A lembrança neste momento não chega para precisar as vezes que o barbeiro vinha a S. Lourenço, ao largo do sr. Albertim, desfazer umas barbas e cortar uns cabelos – a barba com navalha, a navalha de barba que nos dias de hoje não se usará muito e o cabelo com a tesoura de barbeiro. Mas para dar uns retoques de acabamento, principalmente na parte superior do pescoço, o sr. Jerónimo, assim se chamava o barbeiro, pegava na sua máquina muito parecida à que se observa na imagem e acertava o pêlo, isto é, aplainava e harmonizava o cabelo. Era quase um martírio ter de levar com aquele aparelho. Talvez por falta de afinação ou lâminas mal afiadas, o diabo da máquina puxava não só os cabelos como gretava a própria pele, tudo isto evidentemente curado e amaciado no final com álcool etílico que, enquanto não secasse, ardia como a árvore do diabo. Tudo isto por bem, claro. Talvez o barbeiro chegasse a S. Lourenço de dois em dois ou três em três meses. Vinha a pé, de Parada do Pinhão, …

Serra do Alvão: de Cravelas à Bila

Imagem

Sérgio, pastor de Varzigueto

Imagem
Entre arbustos, árvores frondosas e a corrente do rio Olo, conversámos com o Sérgio e o seu filho João, enquanto apascentavam o rebanho!

O Sérgio de Varzigueto e seu filho João (II)

Imagem
Dos ensinamentos e histórias contadas, um certo humor sai espontaneamente das palavras e gestos dos dois, mais do Sérgio, evidentemente. O João, filho que é, profere de modo esporádico uma palavra ou duas, medindo bem os tempos e semblantes do pai, percebendo-lhe o consentimento. O Sérgio, pastor de Varzigueto, numa exposição cadenciada, às vezes com vocábulos impercetíveis por via da atenção ao seu rebanho – um olhar fugaz, uma indicação ao João, uma assobiadela fina que só os animais entendem –, até no drama usa a boa disposição, mas sempre a compreender-se-lhe a respeitabilidade – aos protagonistas da história e a nós que o ouvimos atentamente no meio de sorrisos ou gargalhadas. O facto passou-se numa noite de invernia. Tal como ele dizia, “no meio de um nevoeiro assapado e chuva miudinha mas espessa”. Pelas onze horas da noite, a Guarda pediu socorro ao Sérgio que imediatamente se prontificou. Dois dos militares do Regimento de Infantaria do Marão em exercícios na zona das Fisgas…

O Sérgio de Varzigueto e seu filho João

Imagem
Após uma boa caminhada até à Açureira e já de regresso à bouça onde combinámos um encontro para o piquenique, pela corrente fresca do rio Olo, entre arbustos e árvores frondosas, encontrámos o Sérgio e o seu filho João a apascentar um rebanho com umas duzentas cabeças, mais ou menos. Em longa conversa, comemos e bebemos com os dois, talvez durante uma hora ou hora e meia.

A caminho da Açureira

Imagem

Rio Olo, Parque Natural do Alvão

Imagem

Vale do rio Pinhão

Imagem
Vale do rio Pinhão entre a Quinta do Noval na margem esquerda e São Cristóvão do Douro na margem direita até à vila do Pinhão.

Rosas

Imagem

Rosas e girassóis

Imagem

O Douro: Régua

Imagem