Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens com a etiqueta Trás-os-Montes

Pão-de-ló e bolos de azeite

Pão-de-ló e bolos de azeite em bolachas São tão finos estes bolos de azeite, também designados popularmente por "bolos económicos", que se transformam em verdadeiras bolachas.

Rua do Concieiro, S. Lourenço, Sabrosa

Rua do Concieiro, S. Lourenço de Ribapinhão, concelho de Sabrosa, em 04 de março de 2022.

Igreja Paroquial de S. Lourenço de Ribapinhão

Igreja Paroquial de S. Lourenço!   S. Lourenço de Ribapinhão, concelho de Sabrosa, distrito de Vila Real, em 19 de fevereiro de 2022.

S. Lourenço - do Valmartins ao Coto

Do Valmartins ao Coto!   S. Lourenço de Ribapinhão, concelho de Sabrosa, distrito de Vila Real, em 17 de fevereiro de 2022.

S. Lourenço - singelos aspetos de uma linda aldeia

Do Arrabalde à rua do Valmartins! S. Lourenço de Ribapinhão, concelho de Sabrosa, distrito de Vila Real, em16 de fevereiro de 2022.

Lugar da Carvalhada e trilho “Nos passos de Torga”

Lugar da Carvalhada, na Delegada, freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão, avistando-se uma parte do trilho “Nos passos de Torga” nesta mesma freguesia, precisamente ao cimo daquele lugar.

Nossa Senhora da Saúde

Santuário de Nossa Senhora da Saúde Saudel, freguesia de S. Lourenço, concelho de Sabrosa 08 de fevereiro de 2022.

Marginal de Vila Real

Vista da Unidade de Saúde Familiar Nuno Grande para a marginal da cidade de Vila Real - Avenida Primeiro de Maio -, na manhã do dia 20 de dezembro de 2021.

Vilar Celas, S. Lourenço de Ribapinhão

Belíssima serra, esta que envolve a pequena aldeia de Vilar Celas e a Mamoa de Madorras! É impossível ficar indiferente à beleza deste planalto, situado na parte mais alta da freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão, do concelho de Sabrosa.

Capela de Nossa Senhora da Azinheira

Santuário de Nossa Senhora da Azinheira, em S. Martinho de Anta

Este jardim que é um quintal

S. Lourenço: este jardim que é um quintal As formas estruturais deste jardim são geometricamente simples, de imediata compreensão, para mim fonte inspiradora para artes que não conheço em pleno, ou melhor, descoordenam-se imparáveis superfícies de cor, causando impressões informais sem que se dê conta da realidade. Distanciações significativas entre um e outro pé são imprescindíveis obrigações para provocar sentidos, criando contrasensos, mas de genuínos traços, mesmo assim com algumas novidades, e boas, e frutos que anteveem o futuro, capacitados de boas absorções como se fossem primeiros, e outros mais robustos que ocorrem fora de tempo, ocupando vazios, juntando-se à importância do lugar. Quem diria! Um jardim que é um quintal, ou horta singela cheirando a jardim!

Homenagem ao poeta duriense António Cabral

Homenageado, pelo Município de Alijó, o poeta António Cabral, em 1 de agosto de 2021.

S. Lourenço de Ribapinhão

S. Lourenço de Ribapinhão

Souto Maior

Souto Maior é uma linda aldeia transmontano-duriense do concelho de Sabrosa, situada entre a vila sede de concelho e a aldeia de S. Lourenço de Ribapinhão.

Ponte de Parada - Rio Pinhão

Entre as localidades de Parada do Pinhão, no concelho de Sabrosa, e Vilar de Maçada, no concelho de Alijó, a “Ponte de Parada” é um lugar lindíssimo, frequentado sobretudo durante o verão!

Encontro com Delfim da Silva Monteiro, nas Paredes

Número de telefone para contactar o Sr. Delfim: 969179420 No lugar das Paredes, freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão, o encontro espontâneo com Delfim da Silva Monteiro que, em tempos, me contou a lenda de Nossa Senhora das Candeias. Neste vídeo, em linguagem simples, muito expressiva, refere as curas que consegue a quem o procura, através da invocação de Nossa Senhora da Saúde!

A Serra do Alvão

A Noroeste de Vila Real, situa-se a Serra do Alvão, onde se localiza o belíssimo Parque Natural do Alvão!

A Ponte da Misarela

As lendas da ponte da Misarela, lembradas por Manuel Fontoura na sua autobiografia!

Feiras de Fumeiro

Não sendo possível, neste ano de 2021, a realização das famosas feiras de fumeiro, nomeadamente as de Trás-os-Montes, em virtude da crise sanitária que o mundo atravessa, mostra-se neste vídeo uma série de imagens inéditas do ano passado, recordando tão importantes eventos culturais e de comércio, onde milhares de visitantes afluem!

No tempo dos antigos

No "mou" tempo! por Jorge Lage O tempo anual no meio rural media-se, e ainda se mede para os mais velhos, pela vida das pessoas, pelas colheitas dos frutos e outras fainas agrícolas do que pelos meses do ano. Depois, com mais precisão, era marcado pelas feiras e romarias e pelo calendário litúrgico. Ainda havia outros factos ou tempos nefastos para datar períodos mais longos. Começa assim a canção popular: Raparigas do meu tempo, Rapazes da mesma idade, Já que eu me caso tão cedo, Gozai vós a mocidade! Era o tempo de solteiro que passava para quem se decidia pelo casamento. Nesse tempo, o rapaz casava com a rapariga e a rapariga escolhia um rapaz. Para trás ficava o «tempo de escola», para quem a podia frequentar. Ficava, ainda, «o tempo de rapaz» e «o tempo de rapariga», que, geralmente, quase coincidia com a adolescência, «o tempo de solteiro». A pessoa que casava passava a ter o estatuto de homem ou de mulher adul