Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens com a etiqueta Publicações

Encontro no Farol

  Edição eBook Encontro no Farol: Palavras ditas e reditas História baseada num facto verídico. Vivências de uma aldeia e o misticismo escrito nos personagens!  Ao contrário da edição eBook , o livro impresso contém um posfácio do autor, descrevendo resumidamente uma das principais personagens da história.

Vila Real - Figuras Desaparecidas

Vila Real - Figuras Desaparecidas Duarte Carvalho Duarte Carvalho é o autor da publicação "Vila Real - Figuras Desaparecidas", editada pelo Museu do Som e da Imagem, que reúne um conjunto de fotografias, obtidas entre 1985 e 2013, mostrando e relembrando quarenta e nove figuras entretanto desaparecidas, mas que marcaram a vida da cidade de Vila Real. Como consta na referida publicação, "Duarte Carvalho nasceu em Vila Real, em dezembro de 1949, e fotografa regularmente desde 1973. Ao longo dos anos, expôs dezenas de vezes em Portugal e no estrangeiro. Tem diversas obras publicadas no âmbito da fotografia documental. Integra a equipa técnica do Museu do Som e da Imagem desde a sua fundação."

Os Jogos Populares: Onze Anos de História

Os Jogos Populares, de António Cabral Os Jogos Populares: Onze Anos de História - de António Cabral Deste livro, "Os Jogos Populares (onze anos de história)", de António Cabral, transcrevemos algumas referências.  O livro regista, em primeiro lugar, a ação que o Centro Cultural Regional de Vila Real desenvolveu em favor da animação, recolha, investigação e promoção dos jogos populares da região de Trás-os-Montes e Alto Douro, segundo palavras do autor, no próprio livro. Para além disso, o CCRVR, participou em ações em que estiveram presentes jogos de outras regiões portuguesas e de outros países, contribuindo para a sua difusão. António Cabral afirma no seu livro que, em 13 de novembro de 1977, se iniciou o movimento de recuperação festiva dos jogos populares, tanto em Portugal como no resto do mundo. Por outro lado, pertence ao autor a primeira obra em que se avalia uma vasta recolha de jogos populares portugueses no seu estudo psicológico, antropológico, semiótico e históri

Jogos Populares Portugueses

Jogos Populares Portugueses, de António Cabral por Editorial Domingos Barreira No livro "Jogos Populares Portugueses" diz o seu autor – António Cabral: "...Vejamos como os jogos do nosso povo, tradicionais ou não, se ligam frequentemente ao trabalho, sobretudo ao rural, e não podem entender-se no seu verdadeiro significado sem que essa ligação seja tida na devida conta. A ligação em alguns é mais do que evidente, como é o caso dos jogos do malhão, da reca, das andas, do ferro bacelar, das corridas de burros, de cântaros, etc. O burro utilizava-se, como ainda se utiliza, para transporte de cargas e de pessoas, à ida e à vinda do trabalho do campo e para serviços com ele relacionados." Todas as formas culturais evoluem. Estão sujeitas às vicissitudes do tempo, às mudanças sociais, a novas influências estéticas e a novoas ritmos de vida. Mas a essas formas culturais subjaz um quotidiano das comunidades reflectido numa identidade específica que se projecta na cultura do

O Jogo Infantil

O Jogo Infantil: Período sensório-motor por António Cabral «O jogo consiste em transformar um meio num fim em si mesmo», disse Piaget. Isso acontece com o jogo infantil. No seu quarto estádio de desenvolvimento, entre os 8 e os 12 meses (período sensório-motor), a criança aprende a separar os meios dos fins e o jogo surge. Por exemplo: uma bola com que brinca escapa-se para trás de um obstáculo; antes, fora do alcance visual, não a procurava, mas agora sim. Ultrapassar o obstáculo é o meio a que pode achar graça. Se o converte num fim aparece o jogo. O mesmo sucede com o jogo popular. O homem que lança fora do campo, onde trabalha, a pedra que o estorva pode converter o lançamento num fim em si mesmo e assim nasce o jogo do malhão. in Jogos Populares Portugueses , de António Cabral

Jogo do Barril

Jogo típico do Alto Douro por António Cabral António Cabral, Castedo do Douro 1. Usa-se um barril dos que se utilizam para guardar ou transportar vinho, mas sem os dois tampos, e suspende-se a uma altura de cerca de meio metro do solo. 2. Os concorrentes partem da meta, um de cada vez, e terão de passar pelo interior do barril, dele sair totalmente, voltar pelo mesmo caminho e cortar a meta. 3. A distância entre a meta e o barril é da responsabilidade do júri. 4. Vence a prova o que a fizer em menos tempo. Jogo típico do Alto Douro, em particular do concelho da Régua. Evoca os trabalhos preparatórios das vindimas em que os lavradores, directamente ou socorrendo-se de tanoeiros, consertam as vasilhas para o vinho. Isso acontece normalmente entre meados de Agosto e de Setembro e é, então, natural que o jogo apareça. Quando as vasilhas estão ainda sem as tampas, o rapazio, feito olhapim das mil e uma habilidades artesanais, descobre o processo de se divertir, enfiando-se por elas dentro,

Os Jogos Populares e o Ensino (2)

Ensinar jogando No seu livro "Jogos Populares Portugueses", António Cabral chega a conclusões muito interessantes e, de facto, muito importantes para o desenvolvimento do ensino, muito especialmente o ministrado às crianças. No capítulo "Os Jogos Populares e o Ensino", António Cabral refere duas frases de dois estudiosos desta matéria: - Todo o comportamento é motivado - disse Young em 1936; - As tentativas experimentais para demonstrar a aprendizagem sem motivação provaram ser todas equívocas - disse Bugelski. O aluno aprenderá tanto mais e melhor quanto mais despertado for, ou seja, para manter o aluno interessado e atento, o professor deve motivá-lo despertando nele a curiosidade e o interesse em saber aquilo que desconhece, chegando-se assim à conclusão que: - Face às novas concepções do processo de aprendizagem, a motivação passou a constituir o centro de interesse de todo o processo educativo

Manuel Fontoura

Manuel Henriques Pires Fontoura Manuel Henriques Pires Fontoura nasceu em Montalegre a 12 de agosto de 1925. Ingressou nos Serviços Florestais de Vila Real em 1951, tendo chegado ao cargo de Chefe de Secção. Ainda nos Serviços Florestais, na Circunscrição de Santarém, tomou posse como chefe de repartição, em 1995, tendo-se Jubilado em 12/8/1995. Exerceu ainda as seguintes funções: Secretário-geral da Associação de Futebol de Vila Real, de 1972 a 1980; Presidente do Clube Vilarealense de Pesca Desportiva, em 1974; em 1975, Vice-presidente da Assembleia-geral, sendo eleito presidente da mesma, em 1976; Membro efetivo da Primeira Comissão Administrativa da Câmara Municipal de Vila Real, de 28/10/1974 a 25/5/1976; Deputado à Assembleia da República, de 3/7/1976 a 12/11/1980; Secretário da Mesa da Assembleia da República, de 8/1/1980 a 12/11/1980; Presidente da Direção da Associação de Futebol de Vila Real, de 1980/81 a 1995/96;

A lenda do cavaleiro de ouro

  Reporta-se esta lenda ao lugar onde existem as mamoas de Santa Bárbara, e a uma mulher de Sabrosa que, durante a noite, seguiu, sonâmbula, um cavaleiro com uma armadura dourada que tinha visto em sonhos. Da monografia do concelho de Sabrosa "SABROSA da Pré-História à Actualidade" de A. M. Rocha Soares.

Monografia de Sabrosa

"SABROSA da Pré-História à Actualidade" de A. M. Rocha Soares Sabrosa Desde há uns dias a esta parte, folheio, de novo, as páginas da Monografia do Concelho de Sabrosa, dando conta da importância deste livro, para quem tem a vontade ou simples curiosidade em conhecer melhor a História e histórias do concelho, cujo autor é A. M. Rocha Soares , personalidade sabrosense que referi já em artigos anteriores.  A monografia “SABROSA Da Pré-História à Actualidade” é uma edição do Município de Sabrosa, do tempo em que José Marques foi Presidente da Câmara Municipal, referindo na parte final do seu texto introdutório, inserto neste livro: Com a edição desta obra, que se constitui como a primeira Monografia do Concelho, mais uma vez, António Manuel Soares, presta um elevado serviço cultural à Comunidade Sabrosense. Trata-se de uma obra de homenagem à terr

A história de duas árvores

"Duas Árvores": uma linda história em que duas árvores são as protagonistas. Uma história da autoria de Salvador Parente, no seu livro "Rudes Penedias - Paisagem Trasmontana!

SABROSA da Pré-História à Actualidade

SABROSA da Pré-História à Actualidade Monografia da autoria de A. M. Rocha Soares SABROSA da Pré-História à Actualidade - Monografia da autoria de A. M. Rocha Soares Tive já a oportunidade de referir o nome António Manuel da Rocha Soares , autor da monografia "SABROSA da Pré-História à Actualidade". Tomo a liberdade de transcrever para este blogue o pequeno texto introdutório do autor, inserto no livro da monografia, assim como a imagem de capa da publicação, cuja edição foi da responsabilidade do Município de Sabrosa, no ano de 2006. “O concelho de Sabrosa merece uma monografia e ao aceitar este desafio, por amor à terra, que me viu nascer, quis, também, ser merecedor da confiança, que em mim depositaram os que, desde o início, me apoiaram das mais variadas formas. O presente trabalho, sem nunca pretender esgotar

Mirandelês

Mirandelês Um livro de quatro transmontanos por Barroso da Fonte Foto dos quatro transmontanos inserida no "Mirandelês" Somos agradavelmente surpreendidos com um volume de 300 páginas, cheias como um ovo, de palavras, expressões e seus significados locais, pois nem sempre essas mesmas expressões ou palavras têm, em Mirandela, a simbologia que lhes dão noutras terras. É esta diferenciação lexical que distingue esta obra de quatro autores Transmontanos da mesma geração. Não é um livro espalhafatoso, nem destinado à obtenção de graus académicos ou honrarias encomiásticas. Terá nascido num ambiente descontraído, à imagem de quem troca uns momentos de sueca, por algo mais telúrico e mais genuíno. Deram as mãos, distribuíram tarefas, puseram-se a caminho e

O “Mirandelês”

Dicionário de expressões populares da região de Mirandela Edição do Município de Mirandela Em três artigos editados ultimamente neste blogue, deu-se conta de algumas expressões populares, segundo o “Mirandelês”, resultado da pesquisa e recolha levada a efeito por diversos lugares do concelho de Mirandela, por Jorge Golias, Jorge Lage, João Rocha e Hélder Rodrigues – autores do dicionário de expressões populares. Neste “Mirandelês”, como refere Jorge Golias no prefácio, pretendeu-se reunir as palavras e os ditos populares da região de Mirandela, urbana e rural, sobretudo da primeira metade do século XX, não se finando por aqui o objetivo desta obra. Outras versões deverão surgir, completando e corrigindo a atual. Expressões populares, segundo o Mirandelês Expressões Populares, segundo o Mirandelês (2) Expressões Populares, segundo o Mirandelês (3)