NetBila'NewsNetBila'News Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens com a etiqueta Vila Real

Entre os lugares da Arcã e da Garganta até S. Martinho

Arcã e Garganta Santuário de Nossa Senhora da Azinheira S. Martinho de Anta Dos lugares da Arcã e da Garganta, até S. Martinho de Anta, passando pelo lindíssimo Santuário de Nossa Senhora da Azinheira. Vídeo no canal NetBila do YouTube Trás-os-Montes | Douro

Jardins transmontanos e durienses - jardim em Vila Real

Jardins transmontanos e durienses! Nesta altura do ano, em plena primavera, com o brilho solar que tem feito sentir-se, as roseiras e suas rosas atingem o esplendor e o auge da beleza destas flores, e outras que com elas convivem nos jardins!

Encontros e caminhos, em S. Lourenço de Ribapinhão

A singeleza das palavras nos encontros, e os caminhos que percorrem o tempo! Há encontros que, pela sua espontaneidade e singeleza das palavras trocadas e ideias, são muito cativantes, também pela delicadeza das paisagens a envolverem clareiras, autênticos quadros pictóricos, simultaneamente a servirem de suporte a lugares lindíssimos, que são imensos na freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão, do concelho de Sabrosa. Clique na foto e observe-a em tamanho maior Na subida aos altos da freguesia, encontram-se caminhos que despertam pensamentos e mistérios, como se os que por lá passaram ao longo de décadas, quiçá séculos, ali vagueiem eternamente cativados à beleza e aos tempos sem tempo, observando-nos com sorrisos, maravilhados pela satisfação que sentem em nós, nós sentenciados presentes. No valioso património da freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão estão contidos, assim o julgo, todos os caminhos, como este mostrado na foto e que muito aprecio, tal como todos os outros, ramificados

Caminho do Moinho Velho, em S. Lourenço – Sabrosa

Moinho Velho S. Lourenço de Ribapinhão Em tempos antigos, certamente ali terá havido um moinho. E daí, a designação "Moinho Velho". E ao caminho que por lá passa, tomo a liberdade de chamar-lhe Caminho do Moinho Velho. Caminho do Moinho Velho Quem sobe pela estrada, do santuário de Nossa Senhora da Saúde, em Saudel, para a serra de Santa Bárbara, o lugar planalto da freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão, encontra do lado esquerdo a entrada para um caminho relativamente largo que nos transporta ao lugar da Delegada. É um caminho belíssimo, resguardado pelo silêncio, quebrado apenas pelo chilreio dos passarinhos e o borbulhar do pequeno ribeiro que a meio daquele caminho o atravessa. Vídeo sobre o Moinho Velho, no canal NetBila do YouTube

Cimo do Monte: jantar amigável ou destituição do regedor?

Organização de jantar amigável, em vez de manifestação para destituir regedor (estória ficcionada)

Cravelas, Vila Real

Cravelas, Vila Real Será Cravelas o lugar do Cimo do Monte? O vídeo que apresento neste blogue intitulado “Cravelas, Vila Real! Será Cravelas o lugar do Cimo do Monte?” tem como principal motivo manifestar a importância e a beleza das paisagens que envolvem Vila Real, capital transmontana, também pólo importante da região do Alto Douro. O lugar escolhido – Cravelas – é uma aldeia pertencente à União de freguesias de Borbela e Lamas de Olo, linda aldeia lá bem no alto: uma rua, e as casas encostadas umas às outras, protegidas pela capela, onde o sr. Padre António reza missa de vez em quando, com, talvez, uma dúzia de fiéis. De Vila Real, começando a subida da encosta pertencente ao Parque Natural da Serra do Alvão, o roteiro é simples: aldeia de Ferreiros, Borbelinha, Outeiro, Testeira, e Cravelas. Por este percurso, que pode ser efetuado a pé ou de automóvel, à medida que nos aproximamos de Cravelas, as vistas são cada vez mais admiráveis! Neste vídeo, faço uma analogia da aldeia de Cr

Aletria muito mais consistente

Aletria – nova experiência de confeção Diminuição da quantidade de leite, e os ovos batidos inteiros Aletria - nova experiência No vídeo que hoje publicámos no canal NetBila do YouTube , apresentam-se imagens do resultado de uma nova experiência, no sentido de aprimorar a receita da aletria, para que se obtenha uma textura ainda mais consistente, alterando-se dois dos ingredientes nas suas quantidades: o leite e os ovos. Aletria – nova experiência Diminuição da quantidade de leite, e os ovos batidos inteiros Apresentámos em vídeo anterior uma receita para confeção de aletria – uma aletria de textura consistente, como lhe chamámos. Hoje, fazendo uma nova experiência, no sentido de aprimorar mais ou menos a mesma quantidade de aletria, para que se obtenha uma textura ainda mais consistente, alteraram-se dois dos ingredientes nas suas quantidades: o leite e os ovos. Deste modo, reduziu-se a quantidade de leite, igualando-se à quantidade de água; e os ovos, em vez de se utilizarem apenas

Feira do Fumeiro de Montalegre 2023 (Vídeo)

XXXII Feira do Fumeiro de Montalegre em 20 de janeiro de 2023 Deu-se importância neste vídeo à feira propriamente dita, mas também à animação permanente levada a efeito por grupos musicais locais, com a entusiástica participação de muitos visitantes! Vejam o vídeo até ao fim, e constatarão isso mesmo! Vídeo que mostra alguns aspetos da XXXII Feira do Fumeiro e Presunto de Barroso, em Montalegre, na tarde de sexta-feira, dia 20 de janeiro de 2023. À Feira do fumeiro e a uma grande variedade de outros produtos regionais do concelho de Montalegre, juntaram-se os grupos musicais populares e a grande alegria dos transmontanos! Não faltam as chouriças e salpicões, o presunto e as alheiras, e outras carnes de porco fumadas. Neste caso, sendo as carnes fumadas, devem ser devidamente hidratadas (entre 12 a 24 horas), ao mesmo tempo dessalinizando-se, de modo a manterem-se com uma suave textura, quando cozidas, o que nem sempre acontece, principalmente em dias de muita afluência aos restaurantes

O projeto mais falado do lugar do Cimo do Monte

Finalmente o projeto das cagalhetas de Tchico, transmitido a Nanico Agora que ajudaram ao reco do Ti Zé, estando o serviço concluído, Tchico e Nanico, de novo reunidos nas já habituais segundas-feiras de madrugada, poderiam agora discutir a ideia do projeto que Tchico tinha em mente. Nanico ouvira já rumores sobre o assunto, mantendo-se expectante e algo apreensivo, pois sabe que Tchico tem ideias às vezes atravessadas. Antes ainda do assunto principal deste encontro, Tchico, que se julga um tipo esperto, e assim é considerado pelos seus conterrâneos, puxa a conversa da ajuda ao reco: que tudo correu bem, como esperado, e que os dois desempenharam um papel importante na amanhação do reco. Nanico recordou em breves palavras a primeira vez que, na adolescência, ajudou em empreitada semelhante, atirando-se empinado e vaidoso para o acontecimento. No entanto, no final, após a queima do pêlo, sentiu a quentura das unhas do animal que os mais velhos utilizavam então para introduzir nos bolso

A aldeia conhecida por lugar do Cimo do Monte

“Lugar do Cimo do Monte”, lugar isolado das grandes freguesias O “Lugar do Cimo do Monte” é um lugar isolado das grandes freguesias e da vila que a superintende, mas com uma vida muito ativa, através de alguns dos seus habitantes que, diga-se, são em número abreviado. Com verdade, o lugar do Cimo do Monte ou aldeia do Cimo do Monte, assim também conhecido, como facilmente se constatará pelas descrições e factos ocorridos, tantas vezes simplórios e burlescos, é uma designação fictícia, que pelas características e naturalidade dos homens e mulheres do lugar podem bem representar muitas das aldeias transmontanas e durienses, situadas em locais mais ou menos remotos das montanhas que fazem a linda região de Trás-os-Montes e Alto Douro. Hoje em dia, esta designação, por circunstâncias administrativas, e outras, alterada, é região dividida em duas nas palavras. Contudo, para os mais conservadores, as duas sub-regiões continuam a integrar a mesma e única região, se bem que as suas característ

Presépios e decorações de Natal, em Vila Real (2022)

Uma belíssima iniciativa que o Município de Vila Real e as suas Freguesias mantêm. Todos os anos na Quadra Natalícia, a Câmara Municipal de Vila Real com a participação das Juntas de Freguesia do concelho, oferecem os seus presépios aos habitantes e turistas que por esta altura visitam a cidade que liga o Douro Valley e Trás-os-Montes.

Certa estória no futebol

  Comédia e ficção: O empreendimento das cagalhetas Segundo Ti Zé, o dono da tasca do lugar do Cimo do Monte, dizem por aí que alguém terá sugerido uma oferta generalizada de flores aos jogadores da grande equipa, na intenção de agradecer aos valentes a vitória histórica. No projeto das cagalhetas, de que Ti Zé faz agora parte como sócio do empreendimento, Tchico e Nanico ficam desconfiados perante a conversa enigmática do terceiro sócio, pois apesar do seu gosto pelas flores, sugere no final que ramos de chouriços deveriam ser oferecidos, ou então dinheiro, visto que os jogadores estão habituados a colecioná-lo e, sendo assim, far-lhes-ia mais jeito. Tchico e Nanico desistem naquela noite de tentar formular uma justificação para compreender Ti Zé, remetendo para o dia seguinte, pela manhã, uma reunião secreta, a fim de encontrar uma resposta para a desconfiança.

Nanico zanga-se com Tchico

Arrufo de Nanico sobre Tchico Nanico usa argumentos sobre Tchico e relaciona-os com a eventualidade de tráfico de influências! O Nanico é proveniente de uma família modesta e trabalhadora, com escassos recursos económicos, sempre mais calado que falador, mas ultimamente, vai pondo de lado a sua modéstia no falar, e atira-se às críticas com determinação. Foi este o caso, quando, se bem se lembram, o dono da tasca, o Ti Zé, pediu encarecidamente ao Nanico e ao Tchico, para que o ajudassem ao reco dali a três dias. Pois é: Enquanto as azeitonas embebidas em azeite e alho não haviam lubrificado suficientemente as raízes dos sistemas nervosos dos dois, a coisa até correu dentro da normalidade, com a boa fluidez das conversas a darem início às especificações do tal empreendimento que alguns já dizem tratar-se de qualquer coisa relacionada com cagalhetas ou algo muito parecido. Com a ingestão da salmoura das azeitonas, dos ácidos do azeite e do tinto alcoólico esvaziado das canecas, e também

Sabores transmontanos e durienses

Imagens e sabores transmontanos e durienses: laranjas de inverno e uma das receitas para confeção de aletria, uma sobremesa doce que se come em dias festivos.

Pedido de ajuda ao reco

Novo encontro na mesa entre o postigo e a única porta de entrada da tasca do lugar do Cimo do Monte Combinações sobre o empreendimento e solicitação ao Tchico e ao Nanico, para ajuda ao reco do Ti Zé! Passada uma semana desde a última vez na tasca da aldeia do Cimo do Monte, Tchico e Nanico juntaram-se novamente na mesa que se encontra entre o postigo e a única porta de entrada do estabelecimento. Começaram então os dois a fazer uma espécie de retrospetiva a respeito das palrações da semana anterior, acerca do tal empreendimento que, segundo consta, terá a ver com cagalhetas ou algo parecido. O que é certo, de facto, é que o Tchico, como já informámos, é conhecido pelo Tchico da cagalheta. Neste sentido, os dois homens entreolharam-se e interrogaram-se: – Como é que os patrícios da aldeia já sabem mais que nós? Talvez alguém tenha dado com a língua nos dentes: ou o dono da tasca, ou então alguém mal-intencionado que tenha escutado a conversa do lado de fora do postigo. – Chiça, mas, as

Tchico pede ajuda a Nanico

O Tchico pede ajuda ao seu amigo Nanico A estória passa-se, pelo menos por enquanto, na aldeia do Cimo do Monte, onde pouco mais há que fragas e arrascalheiros. Nanico será uma boa escolha para constituir uma certa sociedade. Pelo menos em relação aos negócios, assim julga o Tchico - figura de considerável esperteza daqueles montes - Nanico sempre foi uma boa amizade, e as trocas que com ele efetuou deram resultados positivos. Na aldeia do cimo do monte, onde apenas um estabelecimento comercial demonstra a sua existência, com o bom vinho de pasto e as sandes de chouriço demolhado em azeite, dois personagens desse lugar costumam tomar assento a uma das mesas carcomidas pelas humidades e andanças do tempo, entre o postigo e a única porta de entrada para o estabelecimento. Pelas madrugadas de todas as segundas-feiras, vindos nunca ninguém sabe donde, fazem questão de discutir o que têm para discutir, acompanhados do mesmo vinho de pasto, e além das tais sandes de chouriço, umas boas dúzia

Bolos de azeite nas influências de Ti Zé

Continua a ideia do projeto das cagalhetas, tudo indicando como bem encaminhada a sua implementação! São atualmente três os sócios do empreendimento!

S. Lourenço e S. Martinho de Anta

A claridade do dia de hoje, 3 de dezembro de 2022, despontou de modo diferente: muito frio, chão gelado e as superfícies de pequenos charcos recebiam gotículas do nevoeiro cerrado que pairava nos vales do rio Pinhão e ribeiros afluentes, transformando-se em espelhos do céu, e as ilusões que os fizeram, em mares se transformaram! ToFernando

A estória do homem que fabricava pedras de isqueiro

Estória curiosa contada na autobiografia de Manuel Henriques Pires Fontoura Manuel Henriques Pires Fontoura Ocorreram os factos no ano de 1947, segundo conta na sua autobiografia, o saudoso amigo Manuel Henriques Pires Fontoura, nascido a 12 de agosto de 1925, na vila de Montalegre. Manuel Fontoura foi meu vizinho, durante alguns anos, em Vila Real, onde com ele convivi, numa verdadeira e particular amizade. “Um homem simples”, assim se intitula Manuel Fontoura na sua autobiografia. A estória é de igual modo carregada de simplicidade. Passou-se em Chaves onde Manuel Fontoura cumpria o serviço militar. Vou talvez acrescentar-lhe um ponto ou dois, sabendo que o meu amigo Fontoura de certo compreenderia, com um sorriso simpático de aprovação. Tudo terá começado quando, após uma merendola bem comida e bem bebida, um grupo composto por quatro militares devidamente fardados se dirigia ao quartel, a pé, por caminho sinuoso de terra batida. Em dado momento, ficam os quatro em alerta com o ruíd

Fim do jogo entre Portugal e o Gana

O jogo entre as seleções de Portugal e do Gana visto na tasca da aldeia do Cimo do Monte!