Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2021

Maias

Maias "É pra maia" por Jorge Lage Imagem obtida na freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão, entre os lugares das Paredes e Saudel. Em véspera do 1.º de Maio, bem cedo, no Mercado Municipal de Braga, dei com imensos ramos de gestas ou maias a serem vendidos pelas lavradeiras, emprestando ao local um odor campestre. Diziam-me das giesteiras negras floridas: - é pró Maio! Outras vendedeiras aconselhavam: - é para não entrar a preguiça. Outras asseguravam que: - é para não entrar o mau-olhado. Todas me queriam vender um ramo ou uma coroa e eu tinha de explicar-lhes que o meu interesse era para saber o que elas pensavam sobre esta milenar tradição maioca religioso-profana. A sua origem remonta muito para além das civilizações grega e romana, com as florálias e o culto à deusa Maia, muito para além das civilizações egípcia ou fenícia, esta última com as festas de arromba, com os tabuleiros de trigo espigado, em honra de Adónis. As menções bíblicas à festa da Páscoa judaica ou a saíd

Falachas

Falachas Receita transcrita de "CASTANEA - uma dádiva dos deuses" de Jorge Lage 1 Kg de farinha de castanhas; 1 colher (concha de sopa) de farinha triga; Sal, açúcar, água e folhas de castanheiro. As castanhas devem ser picadas ou piladas (descascadas) e secas (endurecidas no forno ou desidratadas), sendo depois moídas em moinhos de água ou outros, com mós tradicionais de granito. A farinha deve ser passada por uma peneira, rejeitando-se a farinha mais grossa. A farinha é amassada, em água morna ou fria, e preparada, conforme a do milho, mas, sem levar fermento ou crescente, juntando-se-lhe de início à água, sal e açúcar a gosto. Mexe-se muito bem, ficando no tabuleiro ou tacho algum tempo "sem fintar". A massa deve ficar sobre o grosso, mas bem moldável. Depois, em cima da mesa ou tabuleiro, estendem-se as folhas de castanheiro em grupos de 3 ou 4, colocando, com uma colher de inox, a massa, em cima das folhas e espalma-se de forma circular. Nesta operação, deve te

Tarte de coco com leite e natas

Tarte de coco com leite condensado e natas A tarte representada pela foto neste pequeno artigo é de confeção rápida, muito conhecida, podendo ser alterada a sua receita nas quantidades. Sem adição de farinha, consiste na mistura de ovos em quantidade bastante, coco ralado e leite condensado e natas. A mistura deita-se numa fôrma forrada com massa folhada, indo ao forno a uma temperatura entre os 170 e 190 graus centígrados. Coze durante aproximadamente trinta minutos. Imagens em vídeo desta mesma tarte encontram-se inseridas no Canal YouTube do NetBila . Vídeo »»

Da Fontela às Queijatas

Vista da Fontela para as Queijatas, lugares de S. Lourenço de Ribapinhão, do concelho de Sabrosa.

Folares

Folares de Valpaços, Chaves e Mirandela por Jorge Lage Pelo país abaixo chamam-lhe bôlas-de-carne e nós, transmontanos, dizemos folares. Estamos convencidos que o nome «folar» lhe advém de ser mais um produto cerimonial para a Páscoa e para outros momentos festivos, como o cerimonial do 1.º de Maio e que quase se extinguiu na nossa região. Aliás, no que toca ao tempo pascal, como os israelitas tinham os pães ázimos pela Páscoa (passagem do Povo de Deus da escravidão do Egipto para a Terra Prometida), também nós temos pela Páscoa da Ressurreição o folar. Tal como as alheiras, o folar seria, no tempo da Inquisição, confecionado pelos judeus, em vez da nossa tradicional carne de porco do fumeiro, com carne de aves e de caça, disfarçando a fidelidade à religião judaica. Mas, queria referir que o folar ao longo do rio Rabaçal apresenta três variantes, pelo menos quanto ao aspecto. Em Mirandela e em algumas aldeias do sudeste de Valpaços, a massa leva uma quantidade maior de azeite, em vez d

Souto Maior

Souto Maior é uma linda aldeia transmontano-duriense do concelho de Sabrosa, situada entre a vila sede de concelho e a aldeia de S. Lourenço de Ribapinhão.

As Maias

Imagens obtidas na freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão, concelho de Sabrosa, em 3 de maio de 2021. Todos os anos, neste mês, vestem-se os montes de amarelo, resultado das flores das gestas, ou giestas! Jorge Lage relata no seu livro "As Maias entre Mitos e Crenças" diversas tradições sobre as Maias que advêm de tempos remotos, perdurando ainda na atualidade!