Avançar para o conteúdo principal

Folares

Folares de Valpaços, Chaves e Mirandela

por Jorge Lage

Folar

Pelo país abaixo chamam-lhe bôlas-de-carne e nós, transmontanos, dizemos folares. Estamos convencidos que o nome «folar» lhe advém de ser mais um produto cerimonial para a Páscoa e para outros momentos festivos, como o cerimonial do 1.º de Maio e que quase se extinguiu na nossa região. Aliás, no que toca ao tempo pascal, como os israelitas tinham os pães ázimos pela Páscoa (passagem do Povo de Deus da escravidão do Egipto para a Terra Prometida), também nós temos pela Páscoa da Ressurreição o folar. Tal como as alheiras, o folar seria, no tempo da Inquisição, confecionado pelos judeus, em vez da nossa tradicional carne de porco do fumeiro, com carne de aves e de caça, disfarçando a fidelidade à religião judaica. Mas, queria referir que o folar ao longo do rio Rabaçal apresenta três variantes, pelo menos quanto ao aspecto. Em Mirandela e em algumas aldeias do sudeste de Valpaços, a massa leva uma quantidade maior de azeite, em vez de margarina ou manteiga, ficando mais áspera e pesada, indo ao forno em tachos redondos de esmalte, latão e cobre, ficando o folar com o aspeto redondo. No centro e poente de Valpaços, a massa é mais fofa, aveludada e leve, indo ao forno em fôrmas de barro ou latão quadradas ou retangulares, sendo considerado o mais representativo do concelho. Por fim, na parte norte do concelho de Valpaços, o correspondente ao antigo Município de Monforte de Rio Livre, o folar, tal como na corda de Lomba, de Vinhais, não vai ao forno em fôrma alguma. Este folar é como o de Chaves, que esta cidade terá herdado do extinto município. Ao longo de muitas décadas, até à atualidade, quem, em Chaves, quer folares bem feitos fá-los nas forneiras de Lebução (Nordeste de Valpaços, que pertenceu a Monforte de Rio Livre). Ainda hoje se diz que os melhores folares de Chaves são confecionados em Lebução. Por fim, queria referir que fazer um bom folar não basta cozê-lo em forno de lenha, devendo ser constituído por bons temperos, ovos de galinheiro e bom fumeiro.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Caminhos de Vilar Celas

Caminhos de Vilar Celas, Carvalhada, Saudel, e xailes de serrubeque !

Lenda da Nossa Senhora das Candeias

Paredes, freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão Numa bela noite, 2 de fevereiro, ia um caminheiro com os seus dois cavalos carregados, que ficaram atolados naquele histórico atoleiro. Era homem de boas ideias. Pediu à Senhora das Candeias, foi ouvido e Nossa Senhora apareceu com uma candeia na mão; alumiou-o e seus cavalos desenterrou, acompanhando-o à povoação (Paredes). - Está visto que o homem tinha bom coração; diz o contador desta história - Delfim da Silva Monteiro - natural e residente naquele lugar. Era uma noite rigorosa com muita chuva e neve que apanhou desprevenido o almocreve. Nossa Senhora a esse homem disse que nada dissesse, mas ele não pôde resistir ao que viu. Foi um Milagre!  Cheio de alegria no seu coração, logo transmitiu e espalhou pela povoação. Toda a gente correu para as fragas daquele lugar, hoje conhecidas por Fragas de Nossa Senhora das Candeias, lindo lugar, digno de se visitar! - Desde esse tempo, a Senhora das Candeias das Paredes foi sem

Restaurante Churrasqueira Convívio

Restaurante, em Saudel, freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão Aproveitando reunião familiar, decidiu-se sossegar a hora de almoço no Restaurante Churrasqueira Convívio, em Saudel, freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão, mesmo ao lado do Santuário de Nossa Senhora da Saúde. Precedendo a refeição, no terraço do restaurante com belíssima vista sobre o Santuário, encontros espontâneos com conterrâneos ocorreram amistosos e aprazíveis de sinceras amabilidades. Sabemos que a relatividade dos gostos sempre condiciona e molda opiniões. Pela parte que me tocou, antes ainda de umas ótimas castanhas assadas, provenientes de um souto mesmo ali ao lado, um churrasquinho caseiro perfeitamente condimentado e rodeado de uma saborosa batata frita, loirinha e seca, veio a calhar. Um copo ou dois do vinho servido, bem tinto, como apreciámos, aprimorou lembranças e histórias daquele lugar que se expressaram entusiásticas. E não se julgue o desconhecido: uma boa porção de queijo, acompanhada de uma substa