Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de maio, 2020

As vidas de um gato e de uma gralha-preta

O gato e a gralha: delicados animais, cultivadores de um bom relacionamento (história completa)

O gato solteiro e a descendência da gralha

A gralha-preta regressa às origens e o gato continua laborioso! As vidas de um gato e de uma gralha-preta (história completa)

Da Cumieira à Veiga, Santa Marta de Penaguião

Da Cumieira à Veiga, Santa Marta de Penaguião - Alto Douro

A gralha-preta e o gato disfarçado de caçador

Negócio de um parque de estacionamento por baixo do jardim O gato solteiro e a descendência da gralha

A gralha-preta

A gralha-preta e o dono dos automóveis A gralha-preta e o gato disfarçado de caçador

Confinar

Confinamento de incertezas A gralha-preta

Conto “Encontro no Farol” adaptado para vídeo

Encontro no Farol: Luísa e Francisquinha Numa série de seis vídeos que se encontram inseridos no canal NetBila do YouTube , e também neste blogue, o NetBila’News, conta-se a história baseada em factos reais de duas personagens: Luísa e Francisquinha. Por detrás da figura de Luísa, há, ou havia, uma pessoa real, Maria Amélia Figueira, que partiu já deste mundo, em 17 de agosto de 2006, nascida em Lagoaça, onde sempre habitou. Lagoaça é uma aldeia do concelho de Freixo de Espada à Cinta, do distrito de Bragança.  A história foi inicialmente contada por uma das protagonistas que, de facto, a viveu – Maria Amélia Figueira –, e pela neta que, em parte, também a observou.  Com pequeníssimos cortes, os seis vídeos realizados foram juntos em um só, com a duração de trinta e um minutos e cinquenta e um segundos, podendo ser acedido em baixo.

Luísa e Francisquinha

Luísa deixou de ver a menina! Conto "Encontro no Farol" adaptado para vídeo

O novo pároco da aldeia

A noite é longa, e o tempo percorre idêntico caminho! Luísa e Francisquinha

Luísa e Francisquinha: uma amizade grande

Na sua amizade, Luísa e Francisquinha nada diziam uma à outra!  Quarto episódio, em vídeo, de uma história baseada em factos verídicos. O novo pároco da aldeia História baseada em factos verídicos

Arcã, S. Lourenço

Arcã, lugar da freguesia de S. Lourenço de Ribapinhão, concelho de Sabrosa, em 21 05 2020

Rosas e pelargónio

Rosas e pelargónio enobrecendo a primavera!

Luísa e a menina

  Desde a primavera que Luísa assiste às correrias daquela menina! Luísa e Francisquinha: uma amizade grande

A rua da Ruinha

Palavras nas soleiras das portas da rua da Ruinha Luísa e a menina

História baseada em factos verídicos

Primeiro capítulo: o jardim da praça da aldeia! A rua da Ruinha

Desconfinamento

Desconfinamento - instruções das autoridades

Fim da história de Chixe

Fim da história de Nanixe e o caso do Chixe!

A cozinha do palacete

A história de Nanixe e o caso de Chixe - execução do plano da cozinha! Fim da história de Chixe

"económicos" 12 05 2020

Bolos "económicos" ou de azeite, em tempo de quarentena!

O menino e a ovelhinha

O menino e a ovelhinha, recém-nascidos os dois, ali foram crescendo! A cozinha do palacete

Coloridos os jardins de Vila Real

Nove de maio de 2020. Tarde chuvosa em Vila Real, Portugal. Mesmo assim, expressando-se viçosos e coloridos os jardins da cidade!

Esclarecimento do projeto

C hixe e Nanixe e as três ovelhinhas chamados a esclarecer Como é sabido, Chixe e Nanixe e as três ovelhinhas mais famosas do rebanho foram chamados a uma reunião com gente responsável da capital, no sentido de iniciarem os trabalhos para a implementação do projeto. Os dois empreendedores têm-se mostrado um tanto ou quanto desconfiados com o dono da casa onde se alojaram. Mas não tendo alternativa, os dois submetem-se aos seus conselhos, até porque é ele precisamente quem serve de intermediário ao negócio das caganitas, e ainda por cima é muito bom conhecedor em dar voltas às leis, e todos nós compreenderemos que em casos como este é assunto muito importante e indispensável. Tinham já bebido umas três rodadas de vinho doce, e comido umas tantas bolachas, quando a empregada lhes transmitiu que a reunião estaria quase a terminar, e que as ovelhinhas teriam de ficar no curral do palacete até à próxima reunião que se realizará no salão em frente à esplanada, mesmo ao lado do jardim. As ove

Seriam enganados, Chixe e Nanixe?

Para quem ficariam os proveitos das caganitas? Interrupção na história de Chixe e Nanixe

Exposição do projeto das caganitas

R eceção pelo especialista de assuntos de rebanhos Depois de vários contratempos e das desconfianças dos empreendedores em relação ao amigo do taxista que tem como profissão dar voltas às leis, não tiveram outra opção senão submeterem-se aos seus conselhos, mas tomando as devidas precauções, não fosse o diabo tecê-las. Chixe e Nanixe, sem se descoserem completamente, foram dando alguns indícios do projeto que tinham em mente, sem falarem de alguns aspetos que, para já, ninguém deveria na capital tomar conhecimento, mesmo as ovelhas que vão dar provas da qualidade do rebanho de que fazem parte, junto dos chefes do tal prometido gabinete ministerial ou secretaria empresarial. Deste modo, ninguém, mas absolutamente ninguém, até novos desenvolvimentos, conheceria as intenções de embalamento do produto e congelamento das caganitas com a finalidade de exportação. Chegados ao terraço da instituição, acompanhados pelo anfitrião, e evidentemente pelas três

O pormenor da fermentação da erva

L ibertação de gases e implicações psíquicas Os dias passam e tudo corre às mil maravilhas com os dois empreendedores e as três ovelhas que parecem estar a adaptar-se muito bem à grande cidade. Dormem todos pela manhã e dão umas passeatas pelo fim da tarde até ao jantar. A Malhada, a Ruça e a Velhota tiram proveito do bom pasto do dono da casa e da sua ex-companheira que, das traseiras de sua casa, se regala a observar as três muito felizes, e rosadas de tanto comerem a viçosa erva que daquela terra brota em abundância. Mas os dois, Chixe e Nanixe, começam a desconfiar da hospitalidade e de tanta bondade e amabilidade, e ainda por cima, mete-lhes muita má impressão a aproximação das queridas ovelhinhas ao tipo que dá voltas às leis. Riem-se muito para ele, aliás, com uns risinhos muito estranhos e com os olhos semicerrados, numa ternura até muito bonita de se ver. É certo que é ele quem lhes tem proporcionado lautas refeições, mas daí até mostrarem ares embevecidos com alguém que conhe

A casa do conhecido do taxista

F artos pastos nas traseiras da habitação A casa do conhecido do taxista, o tal que tem como profissão dar voltas às leis, recebe assim a comitiva, acabando esta por se instalar pelo tempo necessário, até que o empreendimento das caganitas inicie a sua atividade, após o encontro, que será programado com amigos e amigas do conhecido do taxista.  Nanixe ver-se-á livre das antipatias do dono do táxi que, entretanto, regressará à sua vila, com algumas recomendações destinadas ao dono do café da aldeia, o Martinho, e também ao cão de guarda que ficou incumbido de orientar o rebanho até tudo começar e a comitiva regressar. Até à ocorrência do encontro, e para consumir o tempo, Chixe e Nanixe, e também as três ovelhas - a malhada, a ruça e a velhota – aproveitarão para conhecer aquela parte da cidade e explorar melhor a avenida principal.  Indicado pelo dono da casa, por sinal mostrando-se muito simpático e agradável nas atitudes, os três animais terão aces

Encontro com a comitiva

Figuras importantes da capital Seriam enganados, Chixe e Nanixe?

Chixe e as ovelhas, na capital

Nanixe e o caso do Chixe Depois de algumas paragens na autoestrada, de comerem todo o farnel que levavam e bebido todo o vinho do garrafão, já anoitecia quando chegaram finalmente à capital. Chegados à avenida principal, ficaram deveras surpreendidos Chixe e Nanixe, não com a movimentação da cidade – um autêntico buliço, tal como tinham imaginado –, mas com os ares emproados das três ovelhas que, observando o exterior através dos respetivos postigos do atrelado, iam gesticulando com as patas da frente, murmurando sorridentemente entre si e, com enorme espanto, agora também do dono do carro de aluguer, verificaram que as três agradeciam os olhares amistosos dos transeuntes a dançarem uns com os outros, que saíam para jantar, ir ao teatro ou ao cinema. Chixe e Nanixe, habituados ao convívio com os animais, nunca tinham visto coisa assim, pois agora até piscavam os olhos e, segundo o taxista, seria uma espécie de alergia aos reclames luminosos que começavam nesse momento a trabalha

Uma das histórias do pastor de Varzigueto

Sérgio, o pastor de Varzigueto! O menino e a ovelhinha

Viagem à capital de Chixe e Nanixe

Cochichos a respeito das caganitas Enquanto nos cruzamentos das ruas da aldeia se ouviam cochichos a respeito das caganitas do rebanho de Chixe e da sua ida à capital, juntamente com o amigo e sócio Nanixe e as três mais famosas ovelhas do rebanho, nos montes circunvizinhos iam pastando outros animais cujos donos comentavam acesamente a faceta empreendedora do pastor Chixe que, com toda a legitimidade, pretende dar bom destino à produção dos excrementos das suas cabras e ovelhas.  Ao mesmo tempo, lá vão aqueles cinco já a caminho da capital, levados pelo taxista da Bila. Este, a troco de uma boa gratificação, vai descansando o mentor do projeto que se mostra com algumas preocupações, pois nunca viajara para a capital, nem ele nem o amigo Nanixe, e muito menos as três ovelhas. O dono do carro de aluguer, satisfeito já com o pagamento antecipado do frete e a primeira parte da gorjeta, vai adiantando ao chefe Chixe para que não se rale com preocupações de qualquer espécie, pois

Interrupção na história de Chixe e Nanixe

Sérgio e seu filho João, pastores de Varzigueto! Uma das histórias do pastor de Varzigueto

Especial farnel

Bom vinho e boa ração para o caminho Como facilmente se depreenderá, o amigo de Chixe não concordou com a exigência do taxista, determinando este que na ida à capital, Nanixe deveria juntar-se às ovelhas, viajando no atrelado. Apesar de tudo, reuniria todas as condições de conforto, com uns fardos de palha para deitar a cabeça e colocar as pernas ao alto, pois a viagem seria longa, apenas com algumas paragens e transposição do rail de segurança para resolver assuntos de primeira necessidade. Com a insistência do chefe Chixe, Nanixe acabou por aceder ao pedido do dono das ovelhas, que lhe prometeu um especial farnel para o caminho, não faltando o garrafão de palha e o vinho da melhor pipa do dono do café, com quem entretanto já conferenciou sobre o assunto. Por outro lado, as ovelhinhas teriam consigo boas porções de ração, também da melhor qualidade, para que fossem entretidas durante todo o percurso sem os berros incomodativos, deixando Nanixe perfeitamente sossegado, durante

Reunião com gente responsável da capital

Avaliação do estado sanitário das ovelhinhas Interrupção na história de Chixe e Nanixe

Partida dos cinco rumo à capital

Nota informativa sobre o empreendimento das caganitas Um certo mal-estar sente-se no grupo de finórios da aldeia que viu nascer a ideia do empreendimento das caganitas. Desta feita, Chixe e Nanixe foram aprendendo a lidar com a problemática da fuga de informações, conseguindo agora circunscrever o conhecimento dos procedimentos para alcançar o bom êxito do empreendimento. Por outro lado, idêntico mal-estar verifica-se no seio do rebanho, especialmente em algumas ovelhas moncosas e cabras mal-cheirosas, pois têm-se mostrado deveras renitentes, pelo facto de não fazerem parte do pequeno núcleo de colegas privilegiadas que acompanharão os chefes empreendedores à capital. Entretanto, tudo parece estar devidamente encaminhado para a partida dos cinco. Além disso, o taxista da vila acedeu finalmente ao pedido de Chixe e Nanixe para que fosse ele mesmo a fazer o transporte. Com a exigência do taxista, ficou então combinado que este seria acompanhado pelo chefe Chixe e o subchefe Na

Nanixe e o caso do Chixe - rescaldo número dois

Reunião em gabinete da capital Reunião com gente responsável da capital

As reuniões continuam no Café Central

Os trabalhos desenvolvem-se com bons resultados As reuniões nas madrugadas do café central foram acontecendo, sucedendo-se umas às outras com certa regularidade, e os trabalhos desenvolveram-se com bons resultados. Pelo menos as diversas partes do projeto e as suas intenções interligam-se e tudo parece acertar-se.  Mas, por mais cuidados com os ouvidos sempre atentos da patroa do dono do café, esta, não se sabendo bem quais os meios, consegue sempre tirar um nabo da púcara aqui e outro ali, faz as suas deduções do que se diz naquela mesa do canto e toca a espalhar pelas amigas e por toda a aldeia. Mas, verdade seja dita. Desta vez contribuiu para que toda aquela gente começasse a valorizar Chixe e Nanixe e o projeto que os dois pretendem pôr em marcha. Diz-se quererem implementar um sistema complexo de prensagem seguido de embalamento e congelação das caganitas, o que nos pensamentos mesmo dos finórios e os que têm a mania das espertezas lá da terra parecem ter chegado à concl

Reunião com um especialista

Nanixe e o caso do Chixe: apresentação do projeto das caganitas! Nanixe e o caso do Chixe - rescaldo número dois

Gatos siameses

Gatos e passarinhos!

Próxima reunião

Alteração do cardápio Com muitos esforços e correrias, conseguiram finalmente Chixe e Nanixe arrebanhar as cabras e as ovelhas, refazendo o rebanho, depois das autoridades terem assustado os animais, proibindo-os de circular na autoestrada. Uma atitude incompreendida pelos dois, pois foram comunicadas a essas mesmas autoridades que todos os animais do rebanho são escrupulosamente bem-comportados, circulando sempre à mão, comandados pelo cão de guarda e pelos berros e assobios do patrão – o Chixe.  Já são duas as contrariedades suportadas pelos dois empreendedores. Mas Chixe e o amigo Nanixe não são tipos de desanimar. E têm já em mente uma nova reunião no café central, mas com todos os cuidados para que a patroa do dono do café não tenha mais motivos para cochichos junto das suas amigas. Além disso, são horas de alterar o cardápio com que se fazem acompanhar nos seus encontros de trabalho, pois necessitam que os alimentos que dele fazem parte contenham açucares orgânicos da melhor

A fermentação da erva

Libertação de gases e implicações psíquicas Reunião com um especialista

O arrebanhamento do gado

Maus resultados por causa dos cochichos Não foi fácil ao dono do rebanho e ao seu amigo aguentar a zombaria dos conterrâneos. Uma reprimenda teria de ser dada ao dono do café, de modo a que refreasse os ímpetos da patroa e dos cochichos que tem por hábito pôr em prática, junto das amigas.  Mas o que mais lhes custou foi a debandada das cabras e ovelhas, assustadas com a chegada das autoridades que não permitiram aos animais circularem na autoestrada, mesmo depois do dono do rebanho avisar que são muito bem ensinadas, bem comportadas, e mechem muito bem as patas, e sempre à mão. A estas horas, andarão ainda os desgraçados a arrebanhar o gado e esperam que nada de mal aconteça à bicharia e ao negócio que pretendem pôr em marcha.